Reflexões de Prisão de Ventre

Estive pensando sobre o quê me lembra o quê.

Ou seja, se eu penso em alguma coisa, essa coisa me leva a pensar em outra coisa, e mais outra, e mais outra, assim infinitamente. Mas uma coisa me chamou a atenção. Toda vez que eu pensava em estados brasileiros, eu pensava em substantivos próprios.
Pra você que pulou a terceira série, substantivos são separados basicamente em comuns e próprios. Comuns são os que dão nomes a objetos, como mesa, lápis, vibrador, tomate e armário. Próprios são os que dão nomes a pessoas, como Ana Paula, Euclides, Eurípedes, Eustáquio e Epaminondas.

Depois dessa aula (que convenhamos, não tinha a mínima necessidade de ser dada), você pode entender que todo Estado brasileiro me lembra um nome. Posso fazer uma lista, mas ficaria um post extenso e ninguém lê posts extensos, vide o post bitelo, gigante e muito muito supimpa que está logo abaixo, uns dias atrás. Mas em forma de texto fica uma coisa moderna e muito mais interessante.

Vou começar por Tocantins. Ninguém começa uma lista com Tocantins, mas eu vou começar porque sou TRUE!. Tocantins me faz lembrar de Almir. Almir deve ser um nome bem comum em Tocantins.
Rio Grande do Sul é chique, lembra um nome chique. Alcides realmente não é um nome sofisticado, então eu me lembro de Alessandro. Alessandro é um nome muito sofisticado.
Santa Catarina é um lugar dócil e bem arrumado. Um nome dócil é Gustavo. Gustavo é um nome bem macio, macio…
Paraná é um lugar cool, descolado, transado e super maneiro. Paraná me lembra de Daniel, o grande Draco que aqui comentava.
São Paulo é um Estado imponente. Eu tenho medo de São Paulo. Você tem medo de São Paulo. São Paulo me lembra um nome malvado, como Cláudio. Cláudio é um nome muito malvado.
Rio de Janeiro é um estado que eu não gosto mas tem quem goste. Pelo sotaque, um nome bem legal deve ser Fernando. Ferrnando. Haha.
Minas é um lugar calmo e roceiro. O sotaque de minas não engana. Você pode estar em qualquer lugar do mundo. Se encontrar alguém de Minas na Indonésia, você vai saber que ele é de Minas sem sequer conversar. Minas lembra José. Zé. É.
Espírito Santo lembra nomes que ninguém lembra. Ninguém lembra do Espírito Santo na hora da prova. Não me lembra nenhum nome não.
Mato Grosso do Sul me lembra algum nome de peão que cuida de fazenda, como João Maria. Eles gostam desses nomes compostos, sabe.
Mato Grosso é a mesma coisa. Como os dois têm nomes parecidos, me lembram nomes parecidos. No caso, tirou o Sul, tirou o Maria. João. Taí, gostei.
Goiás lembra nome de mulher. Goiás tem muitas mulheres sabe. Queria mandar um beijo pros meus 13 filhos lá em Goiáslândia e pra Marisa, minha mulher. Eu volto, viu muié.
Distrito Federal é considerado Estado? Se sim, me lembra Juscelino Leonardo. Leonardo deve ser o nome de muito peixinho lá nas cidades satélite.
Bahia lembra Brown. Carlinhos Brown.

* Aquele cantinho do mapa eu não lembro muito bem. As letras são sempre muito miúdas. *

Pará me lembra do Chimbinha. Mas não vale, ele é famoso. Lucas me lembra do Pará. Né Luke.
Amapá é um Estado que ninguém nunca leva a sério. E confesse que você já confundiu a capital com o Estado. Macapá-Amapá. Bã. Um nome bem no jeito Amapá de ser é Augusto. Concorda?
O engraçado é que não vejo muitas cartas do Amapá em programas de televisão. Ninguém do Amapá participa do Agora ou Nunca. Povo do Amapá, vamo participá!
Roraima me lembra de Jorge. Esse lance de letras trocadas e parecidas. Ah, as letras trocadas…
O grande Estado do Amazonas me lembra um nome grande. Eurípedes, já citado, é um nome grande, combina com Amazonas.
Alguém sabia que Rondônia é Estado?
Acre é um estado que veio do Paraguai, se não me engano. Roque é um nome bem paraguaio. Roque Santa Cruz, aquele atacante. Roque Santeiro poderia ser paraguaio também.

Foi cansativo. Esse país tem muito estado. Ô Governo, vamo arrumar isso, viu. Saco.
A propósito, a seleção tá jogando, né. O campo é um brejo só. O jogo, tão bom quanto uma pelada.
Pelada: definição popular de jogo em que se tem churrasco, campo ruim e música sertaneja. Um comportamento digno de pelada é quando cê chuta a bola pra fora, cê corre lá e pega uma linguicinha, dá uma golada na ceva e volta pro jogo cheio de farofa (Valeu Maggotão). Ah, as peladas brasileiras.

Autor: Raphs

Três palavras definem bem o autor: velho mau humorado. Fisicamente, três anos a menos. Mentalmente, sessenta anos a mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s