“MEU DEUS O QUE ACONTECEU COM OS POSTS”

Uma das piores coisas de se mudar para uma nova casa é que você perde toda a crocância das facilidades do antigo lar.

Você viveu os últimos dez anos de sua vida morando a menos de duzentos metros de um bar. O tempo passa, as crianças crescem e você se vê obrigado a mudar para uma casa maior, com um grande jardim.

O problema é que a nova casa fica a alguns quilômetros do antigo bar.

Quais são as alternativas?

Encontre outro bar: por mais que você procure, nenhum outro bar na vizinhança terá a crocância do antigo bar. A cerveja não vai estar tão gelada, os salgados não estarão tão deliciosos e a salsicha em conserva não estará envolta em uma misteriosa pasta branca de gordura e bactérias. Não será a mesma coisa.

Visite o antigo bar: quando se revisita bons lugares do passado, o mais provável é que você aproveite como se não houvesse amanhã. Em um bar, o mais provável é que você acabe ingerindo uma quantidade de etanol suficiente para sustentar um avião comercial. E não precisamos ser criativos para imaginar o resultado disso: a viagem de volta, caso você volte dirigindo seu próprio carro, envolverá um acidente de proporções significativas, com um carro abraçando um poste e você com o peito dilacerado a trinta metros do local. Não compensa.

Ou você pode simplesmente parar de beber.

Como essa última ideia é absurdamente idiota, busca-se então uma outra alternativa. Traga o bar até você.

Mas não o bar inteiro. Deixe lá os estoques vencidos de cerveja fuleira, as baratas que criaram sua própria sociedade sob os imensos sacos de farinha. Traga somente a cerveja gelada, a televisão de plasma e aquele pote de salsichas em conserva na misteriosa pasta branca de gordura e bactérias – porque MEU DEUS, aquilo é delicioso.

O antigo OJ possui textos muito bons. O que dizer sobre os animais mais perigosos do mundo? E a história de Celso Portiolli, um texto tão plagiado que me fez tretar com a horda da Desciclopédia por causa de plágio? Pois é.

Pouco a pouco, trarei o crème de la crème do antigo OJ pra cá. Dessa forma, eu e você poderemos apreciar toda a cremosidade do GÊNIO INDOMÁVEL que eu fui um dia. Porque MEU DEUS COMO EU SINTO FALTA DAQUELE CARA.

E, claro, pra suprir a indubitável falta de posts que este blog apresentará no futuro.

 

Autor: Raphs

Três palavras definem bem o autor: velho mau humorado. Fisicamente, três anos a menos. Mentalmente, sessenta anos a mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s