As piores pessoas do mundo: pessoas que falam cutucando

Caro leitor,

Gostaria de fazer um pequeno experimento mental com você. Concorde ou não, peço para que mantenha os olhos abertos e o os pulmões funcionando. Peço para que olhe com atenção para a foto deste pato:

Essa foto tem propriedades místicas, tão poderosas que desencadeiam um processo bioquímico parassintético cósmico revolucionário no sistema xumiluminético do seu estriblumbeiron. Esse processo induz um efeito parecido com a hipnose no seu cérebro, e faz com que você preste atenção no que vou dizer.

Desde muito pequeno, fui criado tendo como base moral a política da boa vizinhança. Naquela onda de “seu direito termina quando começa o do outro”. Ainda me lembro da tia Amália nos explicando que é preciso respeitar o próximo pra podermos viver em harmonia uns com os outros.

Quem dera a tia Amália tivesse um megafone.

Algumas pessoas se esforçam para quebrar essa regra. Seja intencionalmente, seja por maldade ou falta de caráter, fazem questão de invadir o espaço alheio para seu bel prazer, seja ele de bom gosto ou não (geralmente, não).

São coisas que geralmente só agradam a pessoa ou grupo que as fazem. Pra eles, não importa se o resto do universo se incomoda: o prazer deles é muito maior que o direito dos outros de permanecer em paz.

Sabe quando você tenta colocar catchup no lanche e ele não sai, você bate no fundo, tenta novamente e quando vê, parece que um elefante teve uma menstruação hemorrágica no seu prato? São tantos exemplos que nomear alguns neste breve post chega a dar água na boca.

Este que vos fala vai utilizar parte de seu escasso tempo livre para categorizar os piores tipos de seres humanos existentes. É um esforço muito grande, uma vez que categorizar 7 bilhões de macacos pelados não é tarefa das mais fáceis. Para isso, a Odeio e Justifico Research Corporation gastou gazilhões de dólares para contratar a mais capacitada equipe de pesquisadores disponível por essa quantidade fictícia de dinheiro.

Começamos a série falando sobre aquele tipo de pessoa que você nunca quer por perto. Aqueles caras que precisam estabelecer alguma forma de contato físico, de forma a reforçar a veracidade dos fatos.

Estamos falando sobre aquelas pessoas que falam cutucando.

Tenho certeza que esgotei cada neurônio de minha mente doentia na busca de algo que me desperte tanto ódio quanto esse tipo de pessoas.

Essas pessoas se caracterizam pela constante necessidade de tocar a pessoa mais próxima enquanto conversa. O toque tem a função de estabelecer uma conexão mais pessoal com o ouvinte, como se fosse possível transmitir compaixão ou credibilidade através das mãos.

Para entender o texto, precisamos de uma rápida explicação do professor Ish Splique, doutorado em comportamento humano e lingüística do CEUCU, Centro Estatístico de Universalidade das Ciências Unificadas, de Massachusetts, Ohio.

Tocador: pessoa com necessidade de transmissão de energia através do toque. Aquele com o impulso incontrolável de tocar a pessoa mais próxima.
Tocado: aquele que recebe o toque.

Através de pesquisas realizadas de forma absurdamente ilegal e constrangedora, os pesquisadores do CEUCU definiram que existem várias categorias de toque, cada um com uma finalidade:

O Tapa Inverso: o mais comum dos toques, utilizado pelos tocadores de forma a dar veracidade à conversa. É dado encostando-se a parte externa da mão no tocado, seja na região torácica, mais comum em homens, ou na parte externa nos membros superiores, mais socialmente aceitável, nas mulheres. Aplica-se no contexto:

– Então cara, eu fui lá naquele bar e tava cheio de mulher *tapa inverso* !!!

O Cutucão: é utilizado, geralmente em pares, pelos tocadores para chamar a atenção dos tocados. Pode ser aplicado com a ponta do dedo indicador ou com a ponta dos demais dedos, curvando-se a mão em uma concha. Aplica-se no contexto:

– Então, ô Maurício *cutucão*, presta atenção, to falando de quando fui naquele bar e…

O Toque Contínuo: o mais degradante, o toque contínuo geralmente é usado em instruções ou confissões, mas também pode ser usado de forma cordial em cumprimentos demasiadamente demorados. É aplicado colocando-se a mão sobre o ombro ou no abdômen do tocado, e ela lá permanece até o fim da conversa.

– Seguinte Maurício *toque contínuo*, vou te explicar como chega no bar. Você pega aqui à direita…

O Mike Tyson: mais utilizado entre amigos ou pessoas próximas, é mal utilizado por pessoas que tentam forçar amizade onde ela não existe em quantidade suficiente. Diga-se de passagem, SOCAR alguém enquanto tenta-se manter um diálogo não é o tipo de comportamento amigável. Aplica-se cerrando os punhos e acelerando-os em direção ao corpo do tocado,

– Ahhh Maurício, você já conhecia o bar e não me fala? *Mike Tyson*

O “Eu sou babaca”: o único dos toques que não é aplicado durante a conversação, é mais usado geralmente na chegada ou para quebrar o gelo inicial. Deve ser evitado, pois não possui efeitos positivos.  O “Eu sou babaca” se caracteriza por toques sutis com o indicador (ver “Cutucão”) no ombro inverso do local onde o Tocador está situado. Exemplo: Tocador na direita do tocado, toque no ombro esquerdo. O tocado, por reflexo, irá olhar para o lado errado e ser feito de idiota – mas na verdade é o Tocador que se revela ser um grande babaca. Aplica-se no contexto:

*Executa-se o “Eu sou babaca”*, Maurício olha para o lado errado.
– MAURÍÍÍÍCIO MEU AMIGO, TÁ PROCURANDO ALGUÉM AÍ??
– Pô cara, como você é babaca…
– Tá a fim de ir num bar que eu conheci ontem?

Os tocadores geralmente são conhecidos pelas rodinhas como sendo os caras chatos. Cara chato é aquele maluco que não tá na conversa, entra e toma conta do ambiente, como se alguém chegasse na sua cozinha, vasculhasse suas panelas, jogasse  fora sua comida e substituísse o tradicional almoço de domingo da sua família italiana por miojo.

Em defesa dos tocadores, a pesquisa constatou que qualquer forma de relacionamento humano demanda esse tipo de comportamento. A troca de calor através do toque é uma forma de expressão, de manifestação do eu lírico perante a complexidade do ser humano como pessoa, como se a convivência do ser fosse dependente da existência do físico, de tal forma que…

Que fique bem claro, eu ODEIO gente que fala encostando. Isso deveria ser crime, passível de passar um dia inteiro pisando em uma única peça de Lego.

No universo em que vivemos, não pode existir dor maior que pisar em Legos.

Tem alguma sugestão? Porra, comenta! Não quer? Bom, twitter e facebook estão aí pra isso. Curta a página no facebook e Siga @raphs no twister e seja uma pessoa muito mais cheirosa.

Autor: Raphs

Três palavras definem bem o autor: velho mau humorado. Fisicamente, três anos a menos. Mentalmente, sessenta anos a mais.

3 comentários em “As piores pessoas do mundo: pessoas que falam cutucando”

  1. Ja vi esse tipo de comportamento em um cara q boa parte das pessoas do meu circulo social adoram, porém, por ter tais atitudes, sinto vontade de remover dele o q resta de vida. Talvez falar pras pessoas o qnt elas são idiotas, seja uma solução, testa ai e me diz. eu continuarei longe desses tipos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s